sábado, 9 de abril de 2011

Um lugar - Mangue Seco, Bahia

Díficíl imaginar que num mundo cada vez mais acessível, esse lugar ainda se encontre quase intocado, como se o tempo tivesse parado por ali. Assim como o Vale do Capão, Mangue seco também transpira uma energia e magia singulares, principalmente para os casais enamorados. Imaginar como é um local antes de conhecê-lo, tentar conceber uma imagem em nossas mentes e ter certeza sobre quais sentimentos nos tomarão, pode ser pura perda de tempo. Talvez tudo supere as nossas expectativas.
Antes de chegar lá, pensei - deve ser uma típica cidade do interior, com sua pracinha central, onde todos se reúnem a noite, deve ser bastante movimentada e com muitas opções de diversão. O que lá se encontra é o perfeito casamento da simplicidade com a natureza, literalmente escondidos no extremo norte do litoral baiano - Uma vila rodeada por areia fina e macia, cercada de casas rústicas, canoas à beira do rio, restaurantes com vista para o mar e dunas douradas com o brilho do sol. Daí entendi por que Tieta, no romance de Jorge Amado, era tão apaixonda pelo vilarejo, onde passava os verões com sua família.
Estar em Mangue Seco é acordar cedo para ir até a praia deserta, onde predominam os coqueiros, o sol e as dunas; é contar milhares de estrelas no céu e adormecer; é ver um lindo arco-íris depois da chuva;  é sentir que ainda podemos encontrar a natureza em sua forma mais legítima e se sentir casado com ela por alguns instantes.







2 comentários:

  1. Eu pretendo um dia conhecer esse lugar mágico.
    Pois todos os problemas do mundo serão levados pela brisa que lambe os coqueiros.

    ResponderExcluir
  2. Digno de um poeta esse comentário!

    ResponderExcluir